terça-feira, fevereiro 27, 2007

Canyon Nerve ES9 - O Mundo É plano...



A Encomenda.

Tudo começou no início do ano passado. Depois de dois anos bem passados com a companhia da minha Kona Blast eu estava pronto para outra. Mas qual?

Escolher não é difícil se a bolsa for grande. Quando não é, a coisa fica mais complicada. Defini um plafond e com ele teria de fazer o melhor que conseguisse. Procurava uma suspensão completa, com curso generoso, e com os artifícios necessários para ser o mais divertida possível. Estava cada vez mais virado para distâncias entre os 30 e os 40 kms e trilhos o mais imprevisíveis e variados possível. Técnicos quanto baste para serem garantia de diversão.

Em fim de Abril, “tropeço” na aventura do Pjfa com a Canyon, e mais importante, coloquei os olhos ( e a calculadora ) em cima da ES9 de 2006. Estava agarrado….era aquilo..

Ainda assim, não foi uma decisão pacífica. Não é todos os dias que se decide investir este tipo de dinheiro numa marca a começar no nosso mercado, com um canal de distribuição único e sem a possibilidade de testar antes de comprar.

Hesitação para aqui, hesitação para ali, e quando finalmente decido e tento colocar encomenda, “#$%&… tinham esgotado.

E agora?? Voltar ao início e procurar outra solução? Não. Fiquei mesmo agarrado. Decidi esperar pelos modelos de 2007 e entretanto fazer mais uns upgrades e fazer mais uns kmts na Kona Blast.

A Espera.

Após muitas peripécias, finalmente consegui colocar a encomenda e recebi o prazo de entrega previsto. Quase tive uma síncope. Ia ter muito que esperar ainda.

Verdade seja dita, a Canyon desde que me deu datas de entrega reais, nunca as falhou, pelo contrário, antecipou-as.

Grande parte da ansiedade foi por ter presumido coisas que nunca se viriam a realizar baseado em histórias de anos anteriores. A marca decidiu acabar de vez com uma das desvantagens que lhe eram apontadas. Os prazos de entrega.

Por essa razão, deixou de fabricar/montar os modelos conforme as encomendas, e decidiu montar todos os modelo de uma vez.

Para meu azar, a ES9 foi um dos últimos modelos a entrar na linha de montagem e por isso só agora a estar a receber.

Por outro lado, se mais alguém quiser uma agora deve demorar menos de três semanas a recebê-la em casa. E pensar que eu esperei quase nove meses :eish:

O Pagamento.

Mais cedo quase um mês do que o previsto, finalmente recebi o tão esperado email da Canyon Portugal.

Estava na hora de colocar a carteira onde só tinha posto um email. Pagar. Correu tudo lindamente. Dei ordem de transferência numa terça de manhã e na quinta de manhã seguinte tinha à minha espera o tão esperado email e dizer que tinha saído da Alemanha.

Mais Espera.

8 a 10 dias. Tempo de transporte desde o sitio onde nascem as Canyons até ao meu cantinho. Pensei mesmo que ia recebê-la na última sexta-feira. Não. Com o Carnaval no meio, não chegou.

Mais um fim de semana de espera e outra despedida da Kona Blast :D

Nervos à flor da pele? Uma volta de bike “intensa”, uma decisão à última hora de ir jantar a um daqueles sítios especiais e de dormir fora, e o fim de semana passou rapidamente. Já era quase 2º Feira.

No meio de tudo isto, uma nota para a Canyon Portugal, que por email se manteve sempre a par e acompanhou todo este processo final.

Chegou.

2ª Feira, 9:45 – “A sua encomenda chegou.” – SMS recebido do local onde foi entregue a Bicicleta .

Larguei tudo :d Em menos de uma hora estava a meter o tão esperado Bikeguard num carro e fui directo para casa.

Esta foto tem direitos de autor. Espero não ser processado. :D

Desembalar.

É difícil descrever o que se sente quando depois de tanto tempo finalmente se abre a caixa e se começa a ver e a tocar na bike. Cada tampa que se abre, cada ângulo que se descobre, cada pormenor, cada detalhe, tudo nos brilha e deslumbra. Cavalheiros, falemos português – Um gajo baba-se que se farta - :rotfl:

O Bikeguard cumpriu a sua função sem problemas. Apesar de ter algumas amolgadelas, a bike está em perfeito estado e perfeitamente segura.




Montar.

Nada mais simples. Montar pedais, roda da frente, roda de trás e apertar o guiador no avanço. Seis parafusos, dois apertos rápidos e está montada. Acessível a qualquer um.



Ajustar.

Tirei o selim de origem, o SLR Genuine Gel, e montei o SMP. Decidi que o Prolink vai ser o meu selim mas entretanto, enquanto não o recebo, montei o SMP para não “usar” o SLR que vai ser vendido.

Dei umas voltas no pátio. Ajustei a altura do selim, o perto dos pedais, as pinças dos Juicy Carbon e comecei a ler manuais para entender os ajustes do Pearl 3.3 e da Talas.

Como a Talas está funcional, decidi não lhe mexer já e experimentar na primeira volta os ajustes do Pearl. Aumentei um pouco a pressão, aumentei um pouco o flodgate até não bombear e fui almoçar.



1ª Volta.

Aviso:Este relato é sobre emoções, não factos objectivos. Mais tarde e com os quilómetros tenho a certeza que poderei ser mais exacto sobre o comportamento da bicicleta. Para já, “who cares??” :D

15:00. Foi montar o Sigma e o GPS e estou equipado e a sair de casa. Vou dar esta primeira volta aqui na zona, começando por trilhos que faço quase sempre para melhor perceber as diferenças.



Curiosamente, o trilho começa por subir um bocado. Piso rolante e também algum asfalto. Sinto-me confortável. O tamanho e a geometria. A bicicleta “encaixa” no meu corpo. Subi o selim mais um centímetro e meio. Sinto tudo muito natural. Nada de estranho ou invulgar. Talvez só mesmo a facilidade com que sobe. Estava receoso e aparentemente não havia razão, e nem sequer bloqueei o Pearl. Estava em Flodgate. Não bombeia quase nada.


1º impressão dos pneus Schwalbe Albert, rolam muito bem apesar do tamanho. Em piso bom, a curvar transmitem muita confiança na maneira fácil com que passam da vertical para um plano mais inclinado. Mas acho que vai ter custos. Ao passar um ribeiro perco tracção por instantes no de trás e depois no da frente ao sair da margem. Mas não voltou a acontecer..Logo se vê.


A transmissão é um relógio. Precisa e eficiente. O desviador da frente é muito rápido. Ando um bocado atrapalhado. Na rígida tenho XT invertido atrás e XT á frente e shifters LX 2007. Os triggers X-0 são activados apenas com os polegares e as mudanças são “normais”, mas acho que me vou adaptar rapidamente. Estranhei apenas a transmissão ser mais barulhenta em comparação com a rígida. Não estava à espera, mas não é nada que assuste a fauna.



Finalmente estou cá em cima. Para minha sorte esta 1º descida é bastante rápida e com umas lombas pelo meio.

Abri o Pearl, verifiquei se estava tudo bem preso e pensei.. “deixa lá ver do que é que toda a gente tanto fala..”

Damm.. #$%& ( insiram aqui palavrões e expressões profanas de acordo com a vossa sensibilidade. Eu sei o que gritei e pensei mas não o posso escrever hehe )

Esta bike tem qualquer coisa de “perigoso”. Se fosse uma mulher, era uma daquelas sobre as quais as nossas mães tanto nos avisaram mas que nunca conseguimos encontrar hehe.. Significa sarilhos.

Sou um tipo cauteloso e calmo. Para mim , descer era de dedinho no travão e cuidado para não passar por cima do guiador. De repente descubro-me a pedalar furiosamente pela encosta abaixo e a berrar como uma criança. E quanto mais depressa ia, juro que parecia que ela ainda pedia mais.

E nada de atabalhoado. Tudo muito fácil e seguro. Cheguei ao fundo com o coração disparado e ela, muito calma, como quem diz.. “mas travaste para quê??”

Sarilhos.. tenho de começar a procurar umas protecções hehe





Continuei o percurso e em todo o tipo de piso em que a consegui testar, a descer ou mesmo a rolar, a bicicleta pede que brinquem com ela. A geometria, a leveza das rodas, a eficiência da Talas e do Pearl. Tudo se conjuga para que a bicicleta seja muito divertida. Ela não deixa que me limite a “rolar”. Quer é brincadeira :D


Bling Bling.

Fica para outra mensagem uma descrição mais exacta do quadro e dos componentes. Para já, apenas a nota para duas pequenas alterações, uma estética e a outra nem por isso.

Coloquei uns apertos rápidos da X-Lite, apenas por serem vermelhos, e depois de ver uma foto de um companheiro que ficou com a perna perfurada pelo topo do guiador, tampas da X-Lite também em vermelho.

Planeio ainda tirar os punhos e colocar os de espuma da Ritchey, mas não consegui tirar estes e não os queria estragar.

Há.. já tinha dito que é linda a minha menina ?? :D


Boas pedaladas..

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home